sábado, 26 de março de 2016

Como aprendi a estudar ?

Como aprendi a estudar?
Nubor Orlando Facure

1 – Quase tudo que aprendi foi fora da sala de aula
Gostaria tanto de ter tido aula no páteo da escola, no gramado, no jardim de inverno, no banheiro, na sala da Diretora, na oficina de reparos – eram nesses lugares que estavam toda a minha curiosidade
2 – A professora não deixava a gente conversar
Só podia tirar dúvidas com ela
Deixei tanta coisa para traz sem perguntar
Tantos colegas que eu queria reencontrar hoje e ter olhado as soluções nos cadernos deles
3 – Adorava ouvir histórias
Mas eu queria mesmo é ser os personagens
Queria ser heroi
Defender a princesa
Prender o lobo mau
Voar com o Peter Pan
Saber o que sobrou da perna do Saci Pererê
4 – Eu li os livros da escola
É uma pena que a professora não deixava a gente mudar o enredo dos textos
Eu queria escrever: 
“O Grande Príncipe”
“A Emília e o Pedrinho na Disney”
A festa no Céu ao invés de bixos eu ia enxer de crianças
O anoinzinhos da Branca de Neve iam ser todos escoteiros
5 – Sempre tirei notas boas
Até hoje não sei o que isso significava
Os alunos mais conhecidos na Escola nunca se importavam com a nota
Eu queria mesmo é que meus colegas pudessem dar notas
A aprovação dos colegas tinha mais valor que a das professoras
6 – Já fiz “trabalho em Grupo”
Adorei – na verdade a gente mais conversava que trabalhava mas, nunca se esquece da casa do colega onde a gente ia se reunir para trabalhar o texto
Não gostava das notas que a professora dava ao trabalho achava mais justo se ela perguntasse se valeu a pena todo esforço que fizemos juntos
7 – Meus melhores momentos foram os dias de exposição
O que isso significava?
Os alunos enxiam as paredes de cartazes – Meio Ambiente, Nossas Indústrias, o Valor da Água, as Criaçoes nas Fazendas, a Mata e os Rios de Minas Gerais
8 – Conheci dois irmãos que a Professora falava que tinham deficiência – a mãe era idosa e sofria da Tireoide – o meninos naceram “retardados”
Eram o Jony e a Janice – a Escola mandava os Agentes de ensino levar as provas do fim de mês, mas quem ensinava mesmo era a Cotinha, empregada deedicada que eles tinham em casa. Muitos de nós aprendeu a Taboada foi mesmo é com a Cotinha – como seria bom a gente dispor de mais professores na casa da gente com o talento da Cotinha

 


3 comentários:

  1. As lições da vida são as melhores, pena que só vamos saber disso quando chegamos aos 50.

    ResponderExcluir
  2. Lembrei dos tempos do saudoso Corina de Oliveira na nossa Uberaba... Tempos bons de gente boa e coisa simples...

    Grande abraço.
    Do Marido de paciente que quer falar mais que o médico.
    Gustavo Velasquez.

    ResponderExcluir
  3. Lembrei dos tempos do saudoso Corina de Oliveira na nossa Uberaba... Tempos bons de gente boa e coisa simples...

    Grande abraço.
    Do Marido de paciente que quer falar mais que o médico.
    Gustavo Velasquez.

    ResponderExcluir